A Queiroz Advogados formaliza contrato entre GDF e empresa alemã

09/05/2019

33929651788_c6e10f7844_k

(Da direita para esquerda, Norberto Peralta (PFM Medical Colômbia), Paulo Henrique Rodrigues (Presidente do BRB), Wellington de Queiroz (Presidente da Queiroz Advogados), Ibaneis Rocha (Governador do Distrito Federal), Aurel Schoeller (Presidente do conselho de gerentes, PFM Medical AG), Franco Nicoletti (Presidente do Nicoletti Group), Joseph Picone (Conselheiro de seguridade internacional, PFM Medical AG), Pedro Luiz Rodrigues (Secretário de Estado de relações internacionais do Distrito Federal), mostram juntos o acordo assinado.)

Graças a mediação promovida pela Queiroz Advogados, o Governo do Distrito Federal, por meio do governador Ibaneis Rocha, assinou, na tarde desta quarta-feira (08/05/2019), um memorando de entendimentos com o presidente da empresa alemã PFM Medical AG, Aurel Schoeller. O documento formaliza as reuniões que ocorreram na tarde de terça-feira (07/05/2019) e nesta manhã entre o GDF, a Queiroz Advogados e representantes da empresa que há mais de 45 anos atua internacionalmente no fornecimento de soluções especiais no campo de cuidados com saúde.

Pelo acordo, o GDF compromete-se a examinar e responder proposta que será apresentada pela empresa alemã para que ela instale uma fábrica de produtos hospitalares no DF. Durante as reuniões, lideradas pelo presidente da Queiroz Advogados, Wellington de Queiroz e pelo vice-governador Paco Britto, os representantes da companhia demonstraram interesse em produzir no DF uma ampla gama de produtos em sua área de competência, como cirurgia, tecnologias cardiovasculares, gestão de fluidos e terapia intensiva/anestesia. Eles também pretendem produzir no DF instalações médicas modulares plenamente equipadas que funcionam como centros de saúde de atenção básica.

O governador Ibaneis Rocha disse que, assim que receber o projeto, vai apresentá-lo a deputados distritais para que os parlamentares destinem recursos para a construção das unidades pré-moldadas em regiões carentes. “Quero construir 15 unidades com recursos de emendas parlamentares da Câmara Legislativa. A primeira seria feita no Vale do Amanhecer (em Planaltina) que não tem nem posto de saúde”, afirmou. De acordo com Paco Britto, os pequenos hospitais construídos pela empresa custam entre 320 mil euros e 500 mil euros, totalmente equipados.